CEFH – antigo

O Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos (CEFH) da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Católica Portuguesa foi constituído em 2007 como resultado da fusão de duas unidades de investigação, nomeadamente, o antigo Centro de Estudos Filosóficos e o Centro de Estudos Humanísticos. O CEFH pretende investigar, numa perspetiva multidisciplinar, a relação entre Pessoa e Sociedade nas suas dimensões filosófica e ética, linguística e comunicativa, cultural e literária, psicológica e educativa. A longa tradição da pesquisa filosófica e humanística filosófica da Faculdade de Filosofia, particularmente presente na Revista Portuguesa de Filosofia (fundada em 1945), a incorporação de novas áreas de pesquisa como Ciências Cognitivas e Psicologia e o perfil multidisciplinar caracterizam a posição da CEFH nas cenas nacionais e internacionais

As áreas temáticas do CEFH são a filosofia como área científica principal, a lingüística, os estudos literários e a psicologia. Reflectindo a sua natureza multidisciplinar e explorando de forma integrada e sistemática a relação entre Individuo e Sociedade, o Centro compreende quatro grupos de investigação (GI): GI1, “Fundamentos, racionalidade(s) e sociedade(s) contemporânea(s)”; GI2, “Linguagem, cognição e sociedade”; GI3, “Memória e diálogos literários “; e GI4, “Vias de desenvolvimento e contextos de vida “. A investigação centra-se em quatro aspetos fulcrais da relação do indivíduo com o mundo e os outros: (i) novas e diversas formas de impacto da Natureza sobre a racionalidade; (ii) o significado lingüístico como conceitualização corporificada e socioculturalmente situada; (iii) a memória cultural reinterpretada dialogicamente no texto literário; e  (iv) vias de desenvolvimento na saúde e na educação.

O GI1 está organizado em dois projetos de investigação: “O sagrado, racionalidade(s), comunidade(s)” e “Estética, artes e realização humana”. O primeiro projeto explora o tema da Natureza no seu sentido amplo e a interação de suas estruturas cósmicas, humanas e psicossociais, no contexto das mais recentes interpretações científicas, filosóficas e teológicas. O segundo projeto propõe formas de humanização através da expressão estética e artística, explorando o potencial da criação artística contemporânea e as suas extensões e interações com o pensamento e cultura(s) mais atuais.

O GI2 inclui dois projetos de investigação: “Significado linguístico e conceitualização: mente, experiência e variação”, no campo da Linguística, e “Comunicação, media e audiências”, na área das Ciências da Comunicação. O seu principal objetivo é investigar as estruturas lingüísticas do português e de outras línguas e os discursos políticos e publicitários dos media como manifestações de mecanismos cognitivos e processos de conceitualização socioculturalmente situados.

O objectivo fundamental do GI3 é promover estudos críticos no campo literário e cultural, à luz de uma perspetiva altamente inter-textual e comparativa, tomando como ponto de partida os clássicos greco-romanos, e como ponto de chegada os autores contemporâneos portugueses .

O GI4 visa o estudo do desenvolvimento humano, como um processo multi-linear e multidimensional que permite múltiplos caminhos individuais que influenciam e são influenciados pelos contextos de vida. Para sua implementação, são propostos dois projetos de pesquisa: “Saúde: fatores psicossociais e comportamentais” e “Educação e inclusão social”.

Os grupos de investigação adotam o princípio experiencialista interdisciplinar que postula que o pensamento humano é determinado também por nossa incorporação orgânica e por nossas experiências individuais, sociais, culturais e históricas. Para desenvolver esta visão integrada da mente-corpo-cultura-sociedade, os grupos utilizam uma metodologia empírica e hermenêutica, maximizando a contextualização.

A investigação interdisciplinar está focalizada em três clusters temáticos que interligam os grupos de investigação: (i) abordagens fenomenológicas, corporificadas e cognitivas à (inter)subjetividade; (ii) afetividade e emoções; e (iii) memória e mudança. Os conceitos transversais aos grupos incluem corporeização, situação, significado, emoção, memória, dinâmica, intersubjetividade, causalidade e criatividade.

O CEFH é financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

A Lição dos Clássicos em Camilo Castelo Branco

Congresso Internacional
12-13 Abril de 2018 | FFCS | UCPCRB

Apresentação e linhas temáticas

A extensa obra de Camilo Castelo Branco, sobretudo a narrativa ficcional, tem sido objecto de diversas abordagens temáticas e estudada a partir de múltiplas perspectivas, nomeadamente a literária, a histórica, a cultural e a sociológica. No entanto, pela sua enorme riqueza e complexidade, ainda carece de outras visões renovadoras.

Um dos domínios em que a obra do autor de S. Miguel de Seide não tem sido analisada como merece é o das fontes clássicas que constantemente afloram e enriquecem a sua escrita. De facto, a obra literária deste grande clássico de Oitocentos constitui um vasto repositório de matrizes clássicas, actualizando assim a presença da Antiguidade greco-latina: “Não faltam nas novelas de Camilo citações, às vezes infiéis, de clássicos latinos (…). Não faltam alusões, mais ou menos justas, em regras sóbrias” (Jacinto do Prado Coelho).

Face a esta lacuna dos estudos camilianos, consideramos muito oportuno estudar as diversas formas de pervivência da herança clássica na obra de Camilo Castelo Branco, abarcando a multiplicidade das formas, registos e funções que esse actuante diálogo com as literaturas greco-latinas reveste no universo camiliano. Pela boca de uma heroína romântica, lê-se em A Filha do Arcediago: “Eu faço versos; a musa favorece-me: o Pégaso voa comigo à apolínea fonte e converso com os deuses na Castália”.

Centrando-nos na relação privilegiada de Camilo Castelo Branco com a Antiguidade Clássica, propomo-nos investigar essa relação prolongada e fecunda, desvendando alguns caminhos de releitura da sua obra, através da valorização da memória e do diálogo que assiduamente o escritor explora com essa viva tradição. Escreveu, a propósito, o Prof. Américo da Costa Ramalho: “com o estudo das citações latinas e das alusões às literaturas grega e romana que se lêem nos seus livros podia escrever-se um trabalho de algumas centenas de páginas”.

Dentro de um horizonte intertextual e comparatista, entre outras manifestações da “lição dos clássicos gregos e latinos” (A Queda dum Anjo), sobressaem modos e processos bem diversos de diálogo com o legado clássico, com destaque para os seguintes tópicos: 

  • Revisitação de narrativas míticas
  • Reutilização de topoi e de exempla
  • Reescrita de temas e motivos
  • Composição de personagens
  • Formas de intertextualidade (da citação à alusão)
  • Ambivalência de registos – da auctoritas à paródia
  • Funções da cultura e da literatura greco-latina
  • Cultura clássica, valores e mundividência
  • Os professores e estudantes de Latim
  • Imagens do Bom Jesus do Monte

Pedido de comunicações

Cada comunicação terá a duração máxima de 20 minutos. As propostas, sujeitas a avaliação pela Comissão Científica, devem ser enviadas para alicaodosclassicosemcamilo@braga.ucp.pt e incluir os seguintes elementos:

  • Título completo
  • Resumo (até 250 palavras)
  • Área temática
  • Nome do autor
  • Afiliação institucional
  • Email
  • CV abreviado (até 100 palavras)


Data limite para envio de propostas: 11 de Fevereiro de 2018
Resultados da avaliação: 28 de Fevereiro de 2018
Data limite da inscrição: 16 de Março de 2018

Valor da inscrição:

  • Com comunicação (100.00 €)
  • Sem comunicação: 30.00 € (antigos alunos Ucp: 10.00 €)


Publicação das comunicações: os textos definitivos, acompanhados de um pequeno resumo em inglês e das palavras-chave, não poderão exceder as 4000 palavras e devem ser entregues até ao dia 22 de Abril de 2018, para avaliação pela Comissão Científica. Alguns textos, depois de aprovados, serão publicados na Revista Portuguesa de Humanidades, volume de 2018.

Organização

Grupo de Investigação Memória e Diálogos Literários do Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos (CEFH) da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais – UCP, Braga.

Comissão Organizadora

  • Ana Paula Pinto
  • António Maria Martins Melo
  • Arturo Diaz
  • Conceição Brandão
  • João Amadeu Silva
  • João Paulo Braga
  • José Cândido Martins
  • José Manuel de Oliveira
  • Maria José Lopes

Secretariado

  • Artur Alves
  • Manuela Taveira
  • Orquídea Lago
  • Simão Sá

Contactos

E-mail: alicaodosclassicosemcamilo@braga.ucp.pt
URL: braga.ucp.pt/alicaodosclassicosemcamilo

Seminário Interdisciplinar de Estudos da Religião

No próximo dia 26 de Junho realiza-se um Seminário Interdisciplinar de Estudos de Religião, a partir das10h, na sala D7 do Campus Camões. A organização conjunta do Centro de Investigação em Teologia e Estudos de Religião (CITER) e do Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos (CEFH) tem como objetivo promover o debate entre os investigadores.

O que é o Tempo?

O Grupo de Filosofia do Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos (CEFH) da UCP (FFCS), em parceria com o Departamento de Física da UM, está a dinamizar o SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR “Filosofia da Natureza: Questões-fronteira entre Física e Filosofia”.

A terceira Sessão, “O que é o Tempo?”, vai decorrer a 6 de Outubro de 2017, pelas 10.30, no Auditório Isidro Alves, da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da UCP. São oradores o Prof. Dr. Jaime Santos (CFUM) e o Prof. Dr. Álvaro Balsas (UCP). +